ImprimirImprimir

Muito boa tarde valentes do Filho de Davi, e também os jovens aqui reunidos e as crianças também.

         Que as bênçãos de Jesus Cristo, o Anjo do Pacto, sejam sobre todos vocês e sobre mim também, e nos encha do conhecimento do Seu Programa e nos use grandemente em Sua Obra. No Nome Eterno do Senhor Jesus Cristo. Amém e amém.

         Vamos ler em São Mateus, capítulo 9, versículos 35 ao 38, onde diz:

         “E percorria Jesus todas as cidades e aldeias, ensinando nas sinagogas deles, e pregando o evangelho do Reino, e curando todas as enfermidades e moléstias entre o povo.

E, vendo a multidão, teve grande compaixão deles, porque andavam desgarrados e errantes como ovelhas que não têm pastor.

Então, disse aos seus discípulos: A seara é realmente grande, mas poucos são os ceifeiros.

Rogai, pois, ao Senhor da seara que mande ceifeiros para a sua seara.”

         Que Deus abençoe nossas almas com Sua Palavra e nos permita entendê-la. Nosso tema para esta ocasião é: “O TEMPO DA COLHEITA”.

         Para compreender este tema, temos que ir tanto ao Antigo Testamento como ao Novo Testamento para ver o Programa Divino relacionado à colheita do trigo de Deus, que são os filhos e filhas de Deus.

         Vejam como Jesus Cristo revelou este mistério da colheita dos filhos e filhas de Deus com o que o povo já conhecia que era a colheita do trigo, e também de outros produtos ou cereais ou vegetais e coisas assim da terra; com coisas naturais que o povo já conhecia, Ele tipificou, representou as coisas celestiais, as coisas do Programa de Deus que Ele realizaria.

         E agora, vejam como Ele diz que envie mais trabalhadores, que oremos para que envie mais trabalhadores porque a seara é muita e os trabalhadores são poucos.

         Em São João, capítulo 4, também nos fala, do versículo 34 ao 39, e nos diz… Capítulo 4, versículo 34 ao 39:

         “Jesus disse-lhes: A minha comida é fazer a vontade daquele que me enviou e realizar a sua obra.

Não dizeis vós que ainda há quatro meses até que venha a ceifa? Eis que eu vos digo: levantai os vossos olhos e vede (e vede o que?) as terras, que já estão brancas para a ceifa.

E o que ceifa recebe galardão e ajunta fruto para a vida eterna…”

         Agora, o fruto que se recolhe do trigo, da semeadura do trigo, que são os filhos de Deus, é para que? Para vida eterna; são colocados para vida eterna todos os filhos e filhas de Deus. E o salário que se recebe não é dinheiro (ou como vocês dizem: “não é dinheiro”, “não é prata”), mas que é bênção divina no Reino de Deus; não é prata daqui da Terra, mas bênçãos e galardões do Céu para toda a eternidade.

         Cristo disse em São Mateus 16, versículo 27: “Porque o Filho do Homem virá na glória de seu Pai, com os seus anjos; e, então, dará a cada um segundo (a que?) as suas obras.”

         E em Apocalipse, capítulo 22, versículo 12, diz também:

E eis que cedo venho, e o meu galardão está comigo para dar a cada um segundo a sua obra”.

         Ou seja: que haverá recompensa para toda obra que tiver sido feita por cada ser humano. E os que as suas obras foram no Reino de Deus, na Igreja de Jesus Cristo, no Corpo Místico de Cristo, trabalhando na Obra de Cristo, a recompensa é para vida eterna; é recompensa na qual a pessoa herdará grandes bênçãos de Deus, grandes galardões de Deus.

         Agora, continua dizendo [São João 4:36]:

         “E o que ceifa recebe galardão e ajunta fruto para a vida eterna, para que, assim o que semeia como o que ceifa; ambos se regozijem.

Porque nisso é verdadeiro o ditado: Um é o que semeia, e outro, o que ceifa.

Eu vos enviei a ceifar onde vós não trabalhastes; outros trabalharam, e vós entrastes no seu trabalho.

E muitos dos samaritanos daquela cidade creram nele, pela palavra da mulher, que testificou: Disse-me tudo quanto tenho feito (ou seja: a mulher samaritana dizia: ‘Disse-me tudo o que eu fiz’, falando sobre Jesus).

         E agora vieram escutar Jesus e ver Jesus; e agora quando o ouviram… Vejam vocês, os que vieram por causa do que a mulher tinha dito e creram ao verem Jesus Cristo, agora vejam como o escutam — a Jesus — falando sobre a semeadura e da colheita, e explica a Seus discípulos que eles tinham sido enviados para colher o que eles não semearam.

         Vejam vocês, Moisés semeou; e Josué e os juízes e os profetas regaram, e em seguida veio Jesus com Seus discípulos para colher. E agora com o Filho do Homem vieram os colaboradores que realizariam o trabalho da Colheita, com o Filho do Homem vieram muitos colaboradores para colher ali. E lhes diz:

         “E o que ceifa (ou seja: que colhe) recebe galardão e ajunta fruto para a vida eterna, para que, assim o que semeia como o que ceifa; ambos se regozijem.

Porque nisso é verdadeiro o ditado: Um é o que semeia, e outro, o que ceifa.

Eu vos enviei a ceifar onde vós não trabalhastes; outros trabalharam, e vós entrastes no seu trabalho.”

         Agora vejam como todos estes colaboradores com o Filho do Homem em Sua Primeira Vinda vieram trabalhar na Obra da Colheita para recolher o fruto da Dispensação da Lei e colocá-los com vida eterna na Dispensação da Graça.

         E para as diferentes eras, vejam vocês, semeou-se também para a Dispensação da Graça, e vieram os mensageiros regando o que foi semeado. E em seguida (agora) nós chegamos de novo ao tempo da Colheita, e muitos colaboradores para o Último Dia viriam com o Filho do Homem.

         Vocês vejam como em Apocalipse, capítulo 14, versículo 14 em diante, nos fala sobre a ceifa, ou seja: da colheita; e nos diz capítulo 14, versículo 14 ao 20, de Apocalipse:

         “E olhei, e eis uma nuvem branca e, assentado sobre a nuvem, um semelhante ao Filho do Homem, que tinha sobre a cabeça uma coroa de ouro e, na mão, uma foice aguda.

E outro anjo saiu do templo, clamando com grande voz ao que estava assentado sobre a nuvem: Lança a tua foice e sega! É já vinda a hora de segar (ou seja: de colher), porque já a seara da terra está madura!

         E aquele que estava assentado sobre a nuvem meteu a sua foice à terra, e a terra foi segada.”

         Aí podemos ver como o Filho do Homem é quem vem com a foice afiada segando, colhendo; mas vejam vocês, com Ele vêm os colaboradores para realizar o trabalho da Colheita no tempo final, neste Último Dia.

         E agora, vós fostes enviados a colher o que outros semearam e o que outros ceifaram durante as eras da Igreja gentia; agora nós estamos trabalhando no trabalho da Colheita, porque a hora de ceifar, a hora de colher, chegou.

         Colhe-se na Era da Pedra Angular como se colheu nos dias de Jesus Cristo na Era da Pedra Angular, depois de passadas as sete eras da Igreja hebraica sob a Lei.

         E agora, passadas as sete eras da Igreja do Senhor Jesus Cristo durante a Dispensação da Graça, chegou a Era da Pedra Angular, que é a Era da Colheita, para colher com o Filho do Homem como colaboradores do Filho do Homem nesse grande trabalho da Colheita, onde são chamados e juntados todos os escolhidos de Deus com a Grande Voz de Trombeta. Onde? Na Era da Pedra Angular. E em que território? O território latino-americano e caribenho.

         Chegamos ao tempo mais glorioso de todos os tempos, ao TEMPO DA COLHEITA. E agora, quem ceifa recebe salário, e quem colhe recebe salário; e colhe, ceifa, para vida eterna.

         E vejam vocês, os que são chamados e juntados; é para vida eterna que são recolhidos; e também os galardões que receberão; que é o salário; porque quem trabalha recebe salário, quem semeou recebe salário, quem regou recebe salário (o que regou quem estava semeado), e quem colhe também recebe salário.

         E nenhum dos anteriores, nem o que semeou nem os que regaram, podem se regozijar até que se realize a colheita; porque quando se realiza a colheita, aí é o grande regozijo; porque aí todo o trabalho que fizeram os que vieram primeiro, não se perdeu.

         Mas se não se realiza a colheita e se perde a colheita, do que valeu a aqueles semear e aos outros regar? De nada serviu, porque se perdeu todo o trabalho. Mas quando se realiza uma boa colheita, os que semearam e os que regaram se regozijam juntamente (com quem?) com quem colhe. Ou seja: que o regozijo produz quem colhe com os trabalhadores para essa colheita, com os colaboradores para essa colheita, porque se realiza uma boa colheita.

         E os que semearam dizem: “Não foi em vão nosso trabalho. Vejam que formosa colheita!” Mesmo que não lhes corresponde realizar a colheita, mas a nós neste tempo, mas eles veem que houve uma boa colheita; portanto, eles têm bênção, por terem semeado algo que foi bom e que teria uma boa colheita.

         E agora, nós estamos vivendo no tempo maior e mais glorioso de todos os tempos.

         Olhem, em Levítico, capítulo 23, versículo 10 em diante, nos fala da semeadura e também nos fala da colheita. Diz:

         “E falou o SENHOR a Moisés, dizendo…”

         Capítulo 23, versículo 9 ao 16, diz, de Levítico:

         “E falou o SENHOR a Moisés, dizendo:

Fala aos filhos de Israel e dize-lhes: Quando houverdes entrado na terra, que vos hei de dar, e segardes a sua sega, então, trareis um molho das primícias da vossa sega ao sacerdote;

e ele moverá o molho perante o SENHOR, para que sejais aceitos; ao seguinte dia do sábado, o moverá o sacerdote.”

         No dia seguinte ao dia de repouso, pois é o oitavo dia, ou seja: é domingo; e houve sete eras da Igreja gentia, e temos - ao ter sete eras temos sete dias de eras, e o sétimo dia de eras é a sétima era; e depois da sétima era vem o Oitavo Dia, que é representado no domingo e que representa a Era da Pedra Angular.

         E houve sete eras da Igreja hebraica sob a Lei e depois veio a Era da Pedra Angular, onde na colheita que houve naquele tempo (a colheita de todo o fruto que tinha sido semeado na Dispensação da Lei e se recolheu ao começo lá da Dispensação da Graça), onde estava na introdução a Dispensação da Graça, e onde estava Jesus e Seus apóstolos nesse trabalho (colhendo para colocar todo o fruto na Dispensação da Graça); nessa Era da Pedra Angular se apresentou diante de Deus um Feixe dos primeiros frutos da ceifa, dos primeiros frutos da Colheita se apresentou um Feixe; e esse Feixe foi o Filho do Homem, Jesus Cristo.

         E agora, para o tempo final… vejam vocês, este feixe, vamos seguir lendo:

         “e ele moverá o molho perante o SENHOR, para que sejais aceitos; ao seguinte dia do sábado, o moverá o sacerdote.

E, no dia em que moverdes o molho, preparareis um cordeiro sem mancha, de um ano, em holocausto ao SENHOR.

E sua oferta de manjares serão duas dízimas de flor de farinha, amassada com azeite, para oferta queimada em cheiro suave ao SENHOR, e a sua libação de vinho, o quarto de um him.

E não comereis pão, nem trigo tostado, nem espigas verdes, até àquele mesmo dia em que trouxerdes a oferta do vosso Deus; estatuto perpétuo é por vossas gerações, em todas as vossas habitações.

Depois, para vós contareis desde o dia seguinte ao sábado, desde o dia em que trouxerdes o molho da oferta movida; sete semanas inteiras serão.

Até ao dia seguinte ao sétimo sábado, contareis cinquenta dias; então, oferecereis nova oferta de manjares ao SENHOR.”

         Aqui podemos ver que isto foi o que aconteceu depois do Feixe ser movido diante de Deus, diante do Senhor, com a ressurreição de Cristo no oitavo dia, onde o Feixe foi movido diante de Deus; foi o Feixe dos primeiros frutos, agora podemos ver, da Colheita do Antigo Testamento.

         E agora, vejam vocês como para a colheita sempre se leva ao sacerdote um feixe dos primeiros frutos, sempre que há uma colheita; isso é cada ano no meio do povo hebreu. Diz:

         “Quando houverdes entrado na terra, que vos hei de dar, e segardes a sua sega, então, trareis um molho das primícias da vossa sega ao sacerdote.”

         Ou seja: que, antes de se realizar todo o trabalho da ceifa, e o fruto ser apresentado diante de Deus, o novo grão ser apresentado a Deus, antes disso, se oferece a Deus o feixe movido dos primeiros frutos; e esse foi Cristo dois mil anos atrás, o qual foi apresentado a Deus, subiu ao Céu e se sentou à destra de Deus.

         E agora, quando foi apresentado a Deus? Quando ressuscitou? No Oitavo Dia.

         E agora, para o tempo final, com a colheita do fruto do Novo Testamento teremos um Feixe movido: o Filho do Homem no Último Dia, em Sua Vinda com Seus Anjos.

         E em seguida, vejam vocês, depois  que se apresentou a Deus o Feixe movido dos primeiros frutos, que foi Cristo, em seguida se contariam 49 dias, contando desde dia em que o Feixe foi movido; e em seguida se passaria ao dia 50. E ao dia 50, diz:

         “Até ao dia seguinte ao sétimo sábado, contareis cinquenta dias; então, oferecereis nova oferta de manjares ao SENHOR.”

         Ou seja: que 50 dias desde o dia que foi oferecido o Feixe Movido, desde o dia em que Jesus Cristo ressuscitou até contar 50 dias; e em seguida, no dia 50, se ofereceria a Deus o novo grão, e isso foi o Dia do Pentecoste, onde se ofereceu a Deus 120 pessoas, as quais foram cheias do Espírito de Deus.

         E agora, aquilo é tipo e figura do que estará acontecendo neste tempo final, onde um Feixe dos primeiros frutos da Colheita do Último Dia, do Novo Testamento, será apresentado a Deus; e depois de certa quantidade de tempo, de dias, virá o Grão, o novo Grão da Colheita, e será apresentado a Deus. Isto nos fala da adoção do Anjo Mensageiro de Jesus Cristo e, depois, da adoção de todos os filhos e filhas de Deus.

         Agora podemos ver todo este Programa Divino, o qual já; vejam vocês, se cumpriu dois mil anos atrás com a colheita que houve no tempo de Jesus, onde se realizou a colheita do fruto do Antigo Testamento e foi recolhido o fruto, e se apresentou a Deus o Feixe Movido, que foi Cristo, o qual foi aceito por Deus, e isso foi o oitavo dia (como diz aqui, seria apresentado no oitavo dia); e foi o oitavo dia, o dia de domingo, que Jesus Cristo ressuscitou e foi apresentado a Deus e foi aceito.

         E agora, contando 50 dias desde esse dia da ressurreição de Cristo, se contariam 50 dias e se apresentaria em seguida a Deus o novo Grão, diz aí; e esses foram os 120 no Dia de Pentecoste, os quais receberam o Espírito Santo. Esse foi o dia 50, e 50 significa Pentecoste.

         E agora vem outro Pentecoste, mas não é Dia de Pentecoste mas Ano de Pentecostes, para receber a plenitude do Espírito Santo: a adoção do nosso corpo, ou seja: a ressurreição dos mortos em Cristo e a transformação de nós os que vivemos.

         Agora também estará o Feixe Movido, o Filho do Homem. Vejam, sempre é esse Feixe Movido. E o Filho do Homem para o Último Dia estará presente com Seus Anjos, que são os ministérios de Moisés e Elias sendo manifestados no tempo final.

         E aí temos o Feixe Movido, que é movido diante de Deus e o Oitavo Dia, na Era da Pedra Angular, que é o Oitavo Dia dos dias da Igreja; tem sete dias a Igreja, sete eras, e depois tem o Oitavo Dia, que é a Era Eterna, a Era da Pedra Angular, onde é apresentado esse Feixe Movido dos primeiros frutos, o qual é o Filho do Homem em Sua Vinda com Seus Anjos neste tempo final; para assim, depois que entrar… Se ele entrar, em Sua manifestação, a manifestação do Filho do Homem com Seus Anjos em Seu Anjo Mensageiro, se ele entra e chegar à adoção e é adotado, então o restante também é adotado.

         O batismo do Espírito Santo lá; representa para nós (aqui também) a plenitude do Espírito Santo. Lá são as primícias, e no Último Dia, em acréscimo às primícias, em acréscimo ao batismo do Espírito Santo, os escolhidos em seguida receberão a plenitude do Espírito Santo; e aí todos obteremos a adoção: a transformação dos nossos corpos se estivermos vivos, e para os que partiram: a ressurreição dos escolhidos em corpos eternos.

         Mas haverá um feixe, o Feixe dos primeiros frutos, o qual é apresentado diante de Deus; e isso é o Filho do Homem com Seus Anjos em Sua Vinda e manifestação no Último Dia, em Seu Anjo Mensageiro. E se ele entrar, todos os escolhidos entrarão; e serão adotados e receberão a plenitude do Espírito de Deus: a transformação de seus corpos neste tempo final; assim como, se cada anjo mensageiro entrar; seu grupo também entrará.

         Isso foi o que disseram ao nosso irmão Branham, quando esteve nosso irmão Branham lá no Paraíso antes da sua partida definitiva. Disseram: “Tu serás julgado…”, porque ele queria ver Jesus, e lhe disseram: “Agora não podes vê-lo. Ele está mais acima.”

         Ou seja: eles estavam ali na sexta dimensão, no Paraíso, e disseram: “Ele está mais acima”. E o que é isso? Ele está mais acima: na sétima dimensão, a dimensão de Deus, lá no Trono de Deus fazendo intercessão por todos os que faltavam chegar.

         E agora dizem: “Mas Ele virá a ti e tu serás julgado, Ele te julgará”. E ele aí, que queria ver Jesus, e quando dizem que Ele virá a ele e o julgará; aí se assusta (qualquer um se assusta!), e então já não estava dizendo: “Eu quero ver Jesus”, mas: “Como vai ser isso? Que eu tenho que ser julgado?!”

         Então verificou sobre o que, de como ele seria julgado e por que seria julgado. E pergunta: “E os demais mensageiros?” E lhe dizem: “Eles também serão julgados.”

         E agora lhe dizem: “E se tu entrares, nós entraremos contigo e seremos teus súditos; e então regressaremos à Terra, tomaremos corpos e então comeremos. Aqui não se come nem dorme nem se trabalha, nem nenhuma destas coisas que lá na Terra (em nossas palavras), que lá na Terra, pois fazíamos. Nem dormimos, nem comemos, nem nos cansamos, nada disto (ali não há noite); e agora nós vamos regressar à Terra. Se tu entrares, nós entraremos contigo, e então tomaremos corpos e regressaremos à Terra, e então comeremos.”

         O mesmo que fez Jesus. Quando regressou à Terra pensavam que era um espírito, e Ele disse: Vocês têm algo de comer aí?” Deram um pedaço de peixe e também um pedaço de favo de mel, e Ele comeu diante deles, e perceberam que era Jesus em um corpo físico, eterno e glorificado.

         E quando os Santos em Cristo das eras passadas ressuscitarem e aparecerem a nós, então comerão conosco, lhes ofereceremos, eles serão nossos convidados, nós somos seus anfitriões, o qual será um privilégio para nós.

         Todos estão esperando que os mortos em Cristo ressuscitem; e agora, onde aparecerão? Quando Jesus ressuscitou apareceram com Ele na cidade de Jerusalém, porque ali foi onde ressuscitou Jesus Cristo; onde estava o Filho do Homem, ali apareceram com Ele, ressuscitaram com Ele e apareceram a muitos na cidade de Jerusalém.

         Onde estava o Filho do Homem, o Feixe que foi movido, ali ocorreu a ressurreição, ali ressuscitaram todos os Santos; não importa que tivessem morrido em outro lugar os Santos do Antigo Testamento, a ressurreição no novo corpo foi em Jerusalém.

         E a ressurreição para o Último Dia, dos Santos do Novo Testamento, será onde? Será na Era da Pedra Angular. E aparecerão onde? Aparecerão a seus irmãos na Era da Pedra Angular; e então comerão conosco. E que deem a voltinha e apareçam aos seus familiares se viveram em outros territórios, não há nenhum problema; mas seguramente não vão querer sair do nosso lado por muito tempo, porque a família verdadeira é a celestial, essa é a Família de Deus.

         E algumas vezes, pois temos uma grande bênção, na qual nossos pais também são crentes, e nossos irmãos e irmãs segundo a carne são crentes também; e então são nossa família, nossos irmãos, duas vezes: terrenalmente falando e também do Céu; e essa é uma bênção grande quando ocorre assim na família.

         Agora, nós estamos vivendo em O TEMPO DA COLHEITA, portanto, trabalhemos nesse trabalho da Colheita junto a Jesus Cristo, o Anjo do Pacto, o Espírito Santo manifestado no Último Dia, na Era da Pedra Angular e Dispensação do Reino, que vem para realizar a Colheita. Mas sempre Deus enviou, com Seus mensageiros, bons e maravilhosos colaboradores para trabalhar no trabalho que Deus deu ao mensageiro para realizar em cada era, a qual era a Obra de Deus para essa era; e com ele vieram, foram enviados da parte de Deus, muito bons e maravilhosos colaboradores. Assim nos diz o reverendo William Branham na página 254 do livro As Eras, e assim é para o nosso tempo também.

         Agora onde estão esses maravilhosos colaboradores que Deus envia neste tempo para a Obra da Colheita, para colher com o Filho do Homem e Seus Anjos neste tempo final? Pois aqui estamos neste tempo final, um grupo aqui em Xalapa, e também em diferentes lugares da República Mexicana, e diferentes lugares da América Latina e do Caribe.

         Há milhares de bons e maravilhosos colaboradores enviados para este tempo final, para colher com o Filho do Homem e Seus Anjos na Colheita, em O TEMPO DA COLHEITA.

         Que Deus os abençoe, que Deus os guarde, e que os use grandemente em Sua Obra trabalhando em colaboração com o Filho do Homem e Seus Anjos, manifestado neste tempo final, na grande Obra da Colheita do tempo final, deste tempo de Colheita. E que Ele recompense a cada um de vocês no Céu, na Ceia das Bodas do Cordeiro, conforme a como tiver sido sua obra, seu trabalho no tempo da grande Colheita do trigo dos filhos e filhas de Deus.

         Que as bênçãos de Jesus Cristo, o Anjo do Pacto, seja sobre todos vocês e sobre mim também, e nos use grandemente em Sua Obra neste: “O TEMPO DA COLHEITA”. No Nome Eterno do Senhor Jesus Cristo. Amém e amém.

         Bom, que Deus continue abençoando a todos, que Deus os abençoe.

         Agora, nós estamos em O TEMPO DE COLHEITA trabalhando braço a braço com a manifestação de Jesus Cristo o Filho do Homem com Seus Anjos neste tempo final.

         E tudo o posso em Cristo, neste trabalho da Colheita, porque Ele me fortalece. Vejam, quando é o tempo de semear, vocês podem ver que até com um saco vão dois ou três trabalhadores e semeiam um território grande: digamos que semearam um milhão de sementes; guardam o saco; e digamos que aos oito meses, o oitavo mês têm que ir colher (pode ser o sétimo mês, mas vamos para o que quero mostrar), corresponde o mês oitavo ir colher.

         E agora um diz ao outro: “Bom, leve o saco que usamos para semear”, e se o outro não for inteligente e leva somente um saco: “vamos colher”.

         Mas vem outro que é inteligente e que está encarregado da colheita e lhe diz:

         —“Para a colheita vocês usaram somente um saco cheio de sementes, mas esta semeadura a apresentamos a Deus e esta semeadura tem a bênção de Deus; e se vocês necessitaram de um saco para semear, cheio de sementes, e tinham um milhão de sementes aí…: um milhão de sementes produzindo ao cem por um, para a colheita vão colher 100.000 sacos ou 100.000 sementes, 100.000 grãozinhos; portanto, vocês necessitam 100 sacos para ir colher.”

         —“Mas é que nós o que semeamos foi somente um saco.”

         Mas a bênção prometida por Deus é que esta semeadura daria a cem por um. Portanto, se tinham para semear esse saco de sementes, digamos que tivessem doze pessoas; e depois para cuidar essa semente, que os pássaros não a comessem, e para jogar água e cuidar que crescesse bem…

         Agora para este tempo final, para a Colheita, a qual é uma multiplicação ao cem por um; agora são necessários muitos trabalhadores para a Colheita. Por isso Jesus disse que a ceara era muita e poucos os trabalhadores.

         E agora, a cearam é muita e poucos os trabalhadores; mas oremos a Deus que continue enviando mais trabalhadores a Sua Vinha para a Obra da Colheita no tempo da Colheita, e obteremos essa Colheita completa sem que se perca nem um grão de trigo, nem um escolhido de Deus.

         Por isso é que são necessários trabalhadores para trabalharem junto ao Filho do Homem com Seus Anjos, para que assim não se perca nem um só grão de trigo; porque esses grãos de trigo representam aos escolhidos de Deus.

         Cristo, o Filho do Homem, o Grão de Trigo que foi semeado em terra, disse: “Se o grão de trigo cair em terra e  não morrer, ele fica sozinho; mas se cair em terra e morrer; muito fruto produz”, ou seja: milhões de filhos e filhas de Deus a imagem de Jesus Cristo.

         E agora, tudo o posso em Cristo neste tempo da Colheita, para trabalhar com o Filho do Homem no trabalho da Colheita deste Último Dia. Realiza-se a colheita dos escolhidos como Corpo Místico de Cristo, e em seguida Cristo realizará a colheita ou recolhimento dos filhos e filhas de Deus como indivíduos, em corpos eternos, colhidos em corpos eternos neste tempo final, e apresentados a Deus em corpos eternos; porque este é O TEMPO DA COLHEITA. E para trabalhar no tempo da Colheita com Cristo: “Tudo o posso em Cristo que me fortalece.”

         Vejam vocês, quando vai se semear, uma das pessoas…, se for um saco do que vão semear de sementes, uma das pessoas pode com esse saco; mas quando se vai à colheita, tudo o que se recolhe pesa mais do que pesava o que foi semeado, pesa cem vezes mais (pelo menos).

         E agora, com tão grande trabalho e tão grande peso que esse trabalho tem, somente podemos dizer: “Mas tudo o posso em Cristo que me fortalece. Tudo é possível para o que crê. E para Deus todas as coisas são possíveis”.

         Isso é o importante: que Cristo esteja em mim, e em quem mais? Em cada um de vocês também. E tudo posso em Cristo. E vocês? Também.

         Que Deus os abençoe. E nos veremos já na próxima atividade, às 5:00 da tarde, primeiro Deus.

         Continuem passando um dia cheio das bênçãos do nosso amado Senhor Jesus Cristo. Amém e amém.

         “O TEMPO DA COLHEITA”.

         [Revisão novembro 2019]

Find us

Carretera No.1 Km 54.5
Barrio Monte Llano
Cayey, Puerto Rico
00736

Twitter